Notícia

INCLUSÃO SOCIAL

INCLUSÃO SOCIAL

O Programa de Educação Especial para o Trabalho desenvolvido na APAE Matão contribui para o processo de inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho e garante mão de obra qualificada para ingressar no ambiente profissional.

Um dos grandes parceiros da instituição, a Predilecta Alimentos, conta com 62 colaboradores PCD (Pessoa com Deficiência), sendo que 46 foram contratados e qualificados por meio da parceria com a APAE de Matão. Este exemplo mostra que é possível para as empresas adotarem uma política de inclusão, não apenas para cumprir as exigências legais, mas como processo permanente de responsabilidade social que garante o direito à cidadania plena às pessoas com deficiência.

Antonio Carlos Tadiotti, diretor da Predilecta Alimentos, que assumiu a presidência da APAE Matão em janeiro deste ano, revela que desde 2010, a empresa busca por colaboradores PCD junto à instituição. “As pessoas que recebemos da APAE têm um comportamento diferenciado porque passam por um amplo processo de preparação. Eles têm como diferencial bom comportamento, assiduidade e muita atenção no trabalho. Além disso, a integração com os colegas acontece com muita rapidez e sem nenhum tipo de problema. Temos pessoas com deficiência praticamente em todos os setores da empresa”.

Antes de serem enviados às empresas parceiras, os alunos da APAE passam por um período de treinamento realizado por profissionais especializados das áreas de assistência social, psicologia, terapia ocupacional, educação e fonoaudiologia. Além da Predilecta, Supermercados Palomax, Soluciona Conservação Rodoviária, Marchesan, Louis Dreyfus Company Matão, Hospital Carlos Fernando Malzoni e Citrosuco, também contam com colaboradores preparadas na instituição.

“Somente pela oportunidade de inserir as pessoas com deficiência no mercado de trabalho e garantir que elas tenham independência e direito à cidadania já vale à pena aderir ao programa. Mas, além disso, contratar colaboradores que passaram pela APAE facilita o processo de integração e elimina possíveis custos de depreciação operacional que a empresa poderia ter com pessoas sem um treinamento prévio especializado para exercer sua função”, relata Tadiotti.